sábado, 30 de maio de 2020

sábado, 30 de maio de 2020

Nacional: Labo de Rui Curado + Extras



Após o nosso post da semana passada acerca do Voos Loucos, o Rui Curado entrou em contacto connosco desafiando-nos a partilhar o seu jogo, Labo, este também publicado na Spooler.
Através deste contacto o próprio autor, a quem muito agradecemos, não só nos cedeu o seu jogo, como também alguns scans dos artigos onde foi mencionado e até uma lista de códigos para acesso a cada um dos 520 níveis. Tendo em conta que estes scans vieram de fotocópias antigas, decidimos antes colocar aqui umas versões com melhor qualidade, retiradas do site Tralhas Várias.


Seguem agora as páginas da Spooler onde o Labo é referido como sendo o vencedor do concurso, publicadas no nº11 e também algumas outras dedicadas ao mesmo jogo no nº13, algo que a revista decidiu fazer após ter recebido inúmeras cartas de leitores que se queixavam de ficar bloqueados no mesmo a certo ponto.





Finalmente deixamo-vos os códigos para todos os níveis do jogo e o link para o poderem descarregar, aqui.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Recortes: Boas ideias em 3D - Videojogos - TV Mais (2000)

Quase a terminar mais uma semana e trazemos um recorte da revista TV Mais! Novamente a secção de Videojogos, escrita em colaboração com a Bimotor. Esta edição foi assinada pelos habituais colaboradores Ana Santos e Fernando Rosado.

Em destaque temos o Earth 2150 (para Win95), um jogo de estratégia em tempo real, com a particularidade de ser o primeiro do género com terreno em 3D, suportado por um motor de física que permitia escavar túneis ou abrir crateras no solo. As condições atmosféricas como nevoeiro, chuva ou relâmpagos, também são reproduzidas neste jogo que acabaria por ser publicado pela Strategic Simulations, Inc. em Junho de 2000, mostrando que o género RTS poderia fazer a transição plena para o 3D.

No recorte também podemos ler sobre o lançamento da versão PC do jogo Croc 2, segunda parte de uma série vinda do universo das consolas, e onde tomamos a forma de um simpático crocodilo num jogo de plataformas ao estilo Super Mario 64. E já que referimos as consolas, temos também a notícia da revelação da Xbox, feita pela Microsoft no dia 10 de Março em San Jose, na Game Developers Conference. Esta consola viria a disputar o mercado com a Playstation 2 e a Gamecube, mas isso é um tema que saí fora do âmbito do nosso blogue - pelo menos ficamos a saber que este recorte certamente será de meados de Março ou Abril de 2000.

O recorte pode ser consultado abaixo!

Boas ideias em 3D - Fernando Rosado / Ana Santos

domingo, 24 de maio de 2020

domingo, 24 de maio de 2020

Nacional: Voos Loucos - PamSoft


Após uma semana em que não tivemos qualquer jogo a ser partilhado nesta secção, devido à falta de tempo deste autor, voltamos a dar destaque a outro título nacional de qualidade.

Voos Loucos, criado por Paulo Moreira (que assinava como PamSoft) foi lançado na disquete da revista Spooler nº30 em 1994 e é um interessante simulador de saltos ou stunt jumps. Ao iniciarmos o jogo, temos acesso a vários dados como a hora do dia e condições atmosféricas, algo a que devemos ter atenção quando equipamos o nosso veículo na fase seguinte.


Na oficina, podemos escolher de entre várias opções o melhor motor, suspensões, pneus e turbo de modo a podermos adaptar o veículo à missão que nos é proposta. Já na pista, devemos carregar em duas teclas alternadamente com a maior velocidade possível para acelerar até à velocidade necessária para fazer o salto em segurança. Caso vejamos que por alguma razão isso não é possível e que um acidente está iminente, também existe uma tecla que nos permite ejectar o assento, salvando-nos da morte quase certa.

A cada salto efectuado com sucesso, equivalerá um prémio em dinheiro que se juntará ao valor que nos sobrou após a última passagem pela oficina. Com os valores acumulados podemos continuar a fazer upgrades até criarmos, potencialmente, a máquina perfeita.

Mais um jogo nacional bastante recomendado pelo Planeta, fica aqui o link para que o possam descarregar.


sábado, 23 de maio de 2020

sábado, 23 de maio de 2020

Microsoft abriu código-fonte do GW-BASIC


Desde que Satya Nadella tomou o leme da Microsoft, que se iniciou um longo namoro com o movimento open-source, o qual visa o acesso livre ao código-fonte, para dessa forma facilitar modelos colaborativos de desenvolvimento de software. Esse namoro hoje traduz-se na Microsoft ser um dos maiores contribuidores global de open-source (senão o maior).

Não cabe aqui discutir se tal vontade é genuína ou não. Mas o facto é que além de toda a dinâmica actual da Microsoft em relação ao open-source, esta também tem aberto, aos poucos, alguns dos seus softwares legados, da primeira década de 80. Os códigos-fonte das versões 1.25 e 2.0 do MS-DOS já se encontram disponíveis no GitHub desde o ano passado. E segundo este devblog da Microsoft, o código-fonte do interpretador GW-BASIC agora está também disponível com a licença MIT para todos os curiosos e interessados.

Relembrando que este interpretador de BASIC da Microsoft acompanhava as instalações do MS-DOS até à versão 4, e seria talvez a primeira ferramenta que os curiosos em programação tinham acesso. Tive um contacto muito breve com o GW-BASIC no IBM PC de um familiar. Tentei, de forma inglória e quiçá muito ingénua, converter alguns programas de Sinclair BASIC no ambiente limitado de linha de comando do GW-BASIC.

Pouco depois, esse meu familiar fez um fantástico upgrade para um 286 com MS-DOS 5.0 e entrei com contacto com uma nova geração de BASIC, o QBASIC (versão limitada do QuickBASIC) e que já vinha com um IDE integrado, com o qual comecei a fazer as minhas primeiras brincadeiras. Mas isso é uma história para outro momento...

Fonte: VITNO


Algumas instruções familiares...

sexta-feira, 22 de maio de 2020

sexta-feira, 22 de maio de 2020

30 anos de Solitaire

Há exactamente 30 anos atrás, a Microsoft lançou Solitaire, uma versão do jogo da Paciência e que até hoje faz o gáudio de muita gente, sendo um dos videojogos mais reconhecidos e populares de sempre!

Paul Jensen, responsável pela Microsoft Casual Games, comemora a efeméride convidando todos os fãs a juntarem-se num evento on-line, de modo atingir o maior número de jogadas terminadas de Microsoft Solitaire num único dia.

Da nossa parte, temos agradecer pelas inúmeras horas de tédio que foram mortas com umas partidas bem prazeirosas de Solitário!


Solitaire no Windows 3.1

quinta-feira, 21 de maio de 2020

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Recortes: Máquinas de sonho - Videojogos - TV Mais (2000)

Publicamos mais um recorte (falhamos o da semana passada) da secção de Videojogos da revista TV Mais, a cargo de uma colaboração com a Bimotor. Ana Santos e Fernando Rosado apresentam as novidades, como as versões PC (Win9x) de Final Fantasy VIII, e de Need for Speed: Porsche Unleashed (lançado na europa como Need for Speed: Porsche 2000).

De referir uma curta nota sobre a possibilidade do regresso de Wolfenstein 3D, o avô dos first-person shooters, o que efectivamente veio acontecer em 2001 com Return to Castle Wolfenstein, um reboot ao universo de William "B.J." Blazkowicz.

O recorte está disponível abaixo, e para a semana continuaremos com a TV Mais.

Máquinas de sonho - Ana Santos / Fernando Rosado

sábado, 9 de maio de 2020

sábado, 9 de maio de 2020

Lançamento de Mini Prince e em caixa mini!


E hoje foi lançado Mini Prince, um peculiar mas divertido mini-jogo inspirado em Prince of Persia, e da autoria de Anne Bras (a quem já nos referimos aqui)!

1001 noites...

Aos 14 anos e grande fã de Prince of Persia, Anne começou a programar Mini Prince, na linguagem QBasic, recorrendo apenas ao modo texto - isto é, usando caracteres ASCII para a representação gráfica. Infelizmente, e após ter programado o primeiro ecrã mais a respectiva interação, como o salto e a escalada, a tarefa tornou-se demasiado complexa para o jovem Bras, e o projecto acabou esquecido na gaveta.

Início do jogo!

Duas décadas depois, Anne deu de caras com o seu antigo projecto, e decidiu retomá-lo com os conhecimentos de hoje, e em boa hora o fez, pois o resultado é um pequeno mas pitoresco jogo que surpreende em termos de jogabilidade!

A princesa aguarda pelo seu "príncipe"...

A história é, obviamente, já bem conhecida - consiste na demanda do nosso "príncipe" para salvar a sua amada das garras do Vízir, escapando de uma masmorra pejada de armadilhas e frágeis plataformas, e vigiadas por temíveis guardas. E ao contrário do original onde temos um tempo-limite para salvar a nossa querida princesa, neste Mini Prince temos um limite de 300 turnos, ou seja, por cada movimento/acção gastaremos um turno.

Em guarda!

Os controles são simples, além da teclas de direcção do nosso personagem, que nos permite escalar ou caminhar nas plataformas, temos as teclas para ativar o modo de salto, de passo cauteloso ou  o desembainhar da espada. Sendo um jogo por turnos, não temos o componente de acção que requer reflexos rápidos, o que torna Mini Prince mais aprazível.

Escadaria final!

O Mini Prince consiste apenas num nível, à primeira vista idêntico ao nível original de Prince of Persia, mas Anne escondeu algumas surpresas que não estão presentes no nível original. Temos então um mini jogo para um pequeno, mas proveitoso tempo de prazer e que pode ser descarregado a partir daqui: http://www.miniprince.nl/!




No entanto, as novidades não se ficam por aqui. Anne Brass adora edições físicas de jogos (o que não será por acaso) e decidiu criar uma embalagem física para o Mini Prince. E para fazer justiça ao título, só podia ser em caixa mini, produzidas por Gal Shemesh, artista conhecido por criar miniaturas de caixas de videojogos!



Trata-se de uma edição limitada que, além da caixa, traz um manual, póster e um envelope e autocolante para cartão SD (quem adquirir a edição física terá de descarregar o jogo e copiá-lo para um seu cartão pessoal).


Tudo sobre este lançamento pode ser consultado aqui nesta página:

https://pckingblog.wordpress.com/2020/05/09/mini-prince-out-now/

Enfim, um grande mini-lançamento que merece alguma atenção dos nossos leitores!

Nacional: Ninja Bear 2 - Tiago Sousa


Esta semana finalmente partilhamos Ninja Bear 2, a sequela criada por Tiago Sousa ao jogo que já publicámos aqui em Setembro do ano passado.

Desde já agradecemos ao Carlos Ricardo que criou uma imagem do CD original da Mega Score onde este saiu, cedendo-nos o mesmo para que o pudéssemos divulgar.

Nesta nova aventura de Ninja Bear, o objetivo será avançar pelos níveis matando os esqueletos que nos aparecem pelo caminho, apanhando os frascos de mel que nos dão alguns pontos extra até chegar ao boss final.

Segundo o autor nos refere num documento que incluiu com o jogo à época (ao qual fizemos pequenas correções ortográficas):

"Levei dois dias a fazer este super magnifico jogo, tem à volta de 3200 linhas de código, e, como tinha prometido, um scrolling horizontal e ainda mais dois scrollings paralelos que dão um efeito todo "bónito". Ainda não foi desta que consegui usar a porcaria dos Wavs e dos Midis, mas prontos pá, já têm um som digital dolbi-surround (not) para Sound Blasters e compatíveis.
A "intro" tá muita má , mas prontos como sou um artista gráfico e programador auto-didacta,
para mim já está bastante aceitável.
Esta versão têm uns piquenos bugs , mas prontos nada do outro mundo.
O Ninja Bear foi programado na versão 3.0 do C++ da Borland."


"A não perder : NINJA BEAR 3 -> A SAGA CONTINUA ...

Nesta nova versão vou usar imagens digitalizadas todas bónitas (dá menos trabalho desenhar desenhar à mão), sons wavs, mais inimigos, níveis maiores e mais difíceis , e pela primeira vez o
arqui-inimigo do Ninja Bear vai-se defrontar num Mano-a-Mano, o KARATE MACHO BEAR . Nesta 3ª versão o objectivo vai ser ter que salvar a Ursolina ( a namorada do Ninja Bear ) das mãos do malvado KARATE MACHO BEAR.
Dentro doutras novidades vou melhorar e bastante o interface de jogo (no ninja bear 2 nem me dei ao trabalho de mudar os menus), uma melhor jogabilidade e incluir diversos tipos de dificuldade.
Dos niveis destaco uma empolgante perseguição de moto que o ninja bear vai fazer, e prontos mais não digo. Neste Ninja Bear 3 , já me vou dar ao trabalho de programar durante umas 2 ou 3 semanas , para ver aquilo de que sou capaz fazer em 2d ."


Infelizmente, este último jogo que iria encerrar a trilogia nunca chegou a ser lançado. No entanto, através da publicidade que o lançamento dos anteriores granjeou graças à Mega Score, acabou por atrair outros elementos que se vieram a juntar numa equipa a que foi dado o nome de True Dimensions. Estes últimos foram fulcrais na génese da atual comunidade portuguesa de desenvolvimento de jogos e ainda hoje nela se mantém a um nível profissional.

Podem encontrar aqui um link para o descarregar (atenção que aconselhamos a utilização de DOSBox, uma máquina virtual ou computador da época) e esperamos ver-vos por aqui na próxima semana.