Páginas

quinta-feira, 23 de junho de 2022

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Recortes: Micro-ordinateurs de voyage - Science & Vie 833 (1987)

A revista francesa "Science et Vie" é uma das mais antigas publicações de actualidades e divulgação científica. Temas como micro-computação e informática já eram recorrentes na década de 1980.

É o caso do recorte que trazemos da edição 833 (Fevereiro de 1987) que lista as características de doze computadores portáteis (ou transportáveis) de marcas como Zenith, Panasonic ou Toshiba.

O PDF deste recorte pode ser obtido neste link.

quarta-feira, 18 de maio de 2022

quarta-feira, 18 de maio de 2022

RS232 n.º6

A edição n.º 6 da revista portuguesa RS232, dedicada à informática, foi publicada em Junho de 1988. Destacamos o espaço dado às novas ofertas de modelos de PC da Olivetti (marca italiana bem conhecida dos portugueses) como o M290M380-XP1.

O post original do Planeta Sinclair com esta edição encontra-se neste link, e o ficheiro PDF pode ser obtido neste link.

quarta-feira, 11 de maio de 2022

quarta-feira, 11 de maio de 2022

RS232 n.º5

Em Maio de 1988 era publicada a edição n.º 5 da RS232, uma revista portuguesa dedicada à informática.

Encontramos dois pontos de interesse neste número. O primeiro é a análise ao WYSE PC 386, um equipamento da americana WYSE, bem conhecida no início dos anos 80 pelos seus terminais de texto, antes de se aventurar no mercado dos computadores pessoais.

O segundo ponto de interesse é uma adaptação de um programa de BIORRITMO (no ZX Spectrum) para os Amstrad PC1512 e PC1640, realizada por Fernando Preces em Locomotive BASIC 2.

O post original do Planeta Sinclair com esta edição encontra-se neste link, e o ficheiro PDF pode ser obtido neste link.

quinta-feira, 5 de maio de 2022

quinta-feira, 5 de maio de 2022

30 anos de Wolfenstein 3D

Em meados de 1992, ainda bastante jovem e inconsequente, passeava-me por uma mostra de emprego e oportunidades para a juventude na Feira Internacional de Lisboa. Não me recordo de muitos detalhes sobre os pretextos que me lá levaram, excepto a ter levado para casa alguns brindes, tais como uma revista do Fórum Juventude, uma disquete com o Tratado de Maastrich (em TXT), canetas, cadernos, folhetos e afins.

Mas uma memória ficou bem vincada. Em certo ponto da feira formara-se uma multidão animada em torno de um computador. Pequenas colunas de som debitavam sons dignos de uma máquina de arcade: tiros, gritos, música! Aproximei-me por entre a multidão e preguei os meus olhos em algo que me fez cair o queixo! A acção era frenética e decorria na primeira pessoa, encarnando um herói de um qualquer filme da 2ª Guerra Mundial. Bastando para tal um mero PC 286 com placa Adlib! Como vibrava o público juvenil em volta desse stand na feira! 


Muito poderia escrever sobre este clássico, por exemplo, como a inovação na jogabilidade e na técnica deu o mote inicial para um novo género que se afirmaria definitivamente com o DOOM. Mas decidi homenagear o "avô" dos FPS com uma memória bastante pessoal: a minha primeira impressão pessoal que descambou em centenas de horas de jogatina com este clássico da id Software.

Foi também uma das minhas primeiras experiências "modernas" de criação de níveis quando, uns meses depois, chegava às minhas mãos um editor de mapas. Não fiz grande coisa com esta ferramenta, mas proporcionou-me horas de diversão (e mapas muito mal feitos)!

Parabéns, Wolfenstein 3D!

quinta-feira, 5 de maio de 2022

RS232 n.º4

 

A edição nº4 da revista RS232 contém uma breve análise a dois equipamentos da Compaq: o Deskpro 386/20 e o Portable 386. Uma leitura interessante para recordar estas máquinas que fizeram sucesso na época do seu lançamento, especialmente, o Portable que inovou no segmento de computadores portáteis.

A edição preservada pelo nosso blogue irmão Planeta Sinclair encontra-se neste link.

terça-feira, 15 de março de 2022

terça-feira, 15 de março de 2022

Disquete da softhouse ShareMania com o jogo Bio Menace

Compartilho hoje com vocês um item que conservo em meu acervo com muita nostalgia: um disquete que está comigo desde meados dos anos 90 e que contém nada menos que uma cópia do Bio Menace, grande jogo desenvolvido pela icônica Apogee Software – e um dos títulos preferidos de outro coeditor aqui do blog, o Filipe Veiga). Vejam foto abaixo.


Esta cópia foi adquirida em 1994 na softhouse ShareMania, do Rio de Janeiro, e é um retrato de tempos incríveis que não voltam mais. A etiqueta com o nome do jogo era impressa no ato da compra, em jato de tinta, pela própria ShareMania. A etiqueta menor, com o código 3D0008, foi colada por mim, aos 17 anos (era a forma como eu catalogava meus disquetes: 3D para discos de 3 ½ e 5D para discos de 5 ¼. Não me perguntem porque eu padronizava dessa forma). Estamos falando de um período em que: 1) a cena do shareware estava em plena ebulição; 2) a multimídia começava a mostrar o seu potencial no Brasil; 3) ainda tinha força o conceito de softhouse tal como conhecemos desde os anos 80 com o MSX, o TK-90X (clone brasileiro do ZX Spectrum) e outros microcomputadores, só que desta vez mais focado no Commodore Amiga e no padrão IBM PC, ou seja, um local onde você poderia comprar, a preços bem atraentes, jogos, aplicativos e utilitários (pirataria, a bem dizer, mas isto é outra história). O mais importante neste post é que o disquete segue funcionando. Conseguimos até mesmo rodar o Bio Menace a partir dele!



Capturamos abaixo telas do diretório, que mostram inclusive arquivos referentes ao jogo datados de 1993 (seu ano de lançamento).


E vamos a alguns dos arquivos presentes no disco:

BM-HELP.EXE – Trata-se de um suporte técnico "on-disk", algo como um README, mas em formato de uma aplicação que trazia não só informações detalhadas sobre como rodar o jogo e resolver problemas, mas também as formas de contato com a Apogee para maiores esclarecimentos. Interessante observar a presença desta grande publicadora em uma grande variedade de serviços online: Internet, Compuserve, America Online, Prodigy e em diversos BBSs. Fazendo uma comparação com os dias de hoje, seria o equivalente a estar presente nas principais redes sociais. Este formato de suporte técnico era comum entre as grandes publicadoras da época.




UK_ORDER.TXT – Um arquivo TXT que facilitava o trabalho dos residentes do Reino Unido que desejassem comprar – via Transend Services ltd (uma distribuidora oficial da Apogee na Europa?) – uma cópia completa do jogo via telefone, correio ou fax. Bastava preencher dados como nome, endereço, telefone e quantidade de cópias. Notem que havia até mesmo um campo para o usuário contar como conheceu o jogo Bio Menace. Aqui no Brasil eu vivi com uma certa intensidade a experiência de se comprar jogos nas piratohouses via telefone (sim, algumas ofereciam esta facilidade). Bastava ligar, encomendar a gravação dos jogos em fita cassete ou disquete e combinar o dia que iria buscar. O pagamento era feito no ato, ao buscar o pedido. Era algo tão simples quanto alugar um filme em uma videolocadora, só que via telefone. Mas eu fico imaginando o MUST que deveria ser você ligar para um canal oficial e encomendar uma cópia 100% original do Bio Menace.


Parênteses para a ShareMania: se você frequentava softhouses no Rio de Janeiro e o nome ShareMania não lhe é familiar, você ficará surpreso em saber que se trata nada menos da Nemesis Informática, clássica softhouse que ficava no centro do Rio desde os tempos áureos do MSX. Entre 94 e 95 a chama do freeware e do shareware estava tão acesa que a Nemesis passou a adotar o nome ShareMania em seu catálogo de jogos shareware para PC, como mostra a propaganda abaixo (com preços em URV!), veiculada na revista Micro Sistemas nº 137, do mesmo longínquo ano de 1994.

A Nemesis talvez tenha sido a softhouse que eu mais visitei. Seguramente frequentei este local de 1987 a 1998, e o procedimento para se adquirir jogos e aplicativos era basicamente o mesmo durante todo esse período: eu levava uma mídia virgem (fita cassete, disco de 5 ¼ ou disco de 3 ½ na época em que vendiam jogos de MSX e disco de 3 ½ já na época do 386 ou do 486) ou comprava uma no local, escolhia os jogos em um catálogo e esperava a gravação. No auge do shareware, pagávamos uma quantia simbólica pelo "trabalho de cópia" (nessa época do Bio Menace era algo em torno de R$ 1,00 por jogo). Este era o argumento de muitas piratohouses para contornar a filosofia do shareware de ser distribuído gratuitamente. Ou seja, pagávamos pelo serviço de cópia, e não pelo jogo. E assim as softhouses ganhavam um novo fôlego no negócio de venda de software. Parte dessa atmosfera poderá ser vista no documentário "LOADING... Nossos Primeiros Jogos de Computador", de autoria de Carlos Bighetti e Marcus Garrett, previsto para ser lançado ainda este ano.

Os parênteses acima foram para destacar mais dois arquivos presentes no disquete do Bio Menace:

MENSAGEM.COM – Nada menos que uma propaganda da ShareMania. Trazia o endereço da Nemesis Informática e demais informações sobre shareware. Vale frisar .


GO.BAT – Um arquivo batch que mostra primeiro a propaganda da ShareMania (MENSAGEM.COM) e em seguida executa o Bio Menace (BMENACE1.EXE).

Enfim... Em 1994 a Seleção Brasileira conquistava o tetra; Ayrton Senna e Kurt Cobain nos deixavam; o Visual BASIC era uma das linguagens de programação mais populares; estávamos prestes a presenciar o lançamento do Windows 95; o IBM Aptiva era um sonho de consumo; kits multimídia eram objetos de desejo; e eu, na época com 17 anos, comprava a versão shareware do Bio Menace na ShareMania. E você? Dentro do universo do PC, o que o ano de 1994 lhe faz lembrar?

Em tempo: subimos o conteúdo do disquete para o Internet Archive. Abaixo está também o link para a referida revista Micro Sistemas com o anúncio da ShareMania.

Micro Sistemas nº 137 no Datassette Conteúdo do disquete deste post

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Ainda mais recortes da Notícias Magazine!

O Miguel Brandão já havia disponibilizado os recortes da coluna Micropanorama, assinada pelo João Paulo Cruz, e publicada na década de 1990 na revista Notícias Magazine. Agora o Miguel também disponibilizou para a comunidade, os recortes referente à coluna de Informática de Simões Dias. Certamente será do interesse dos nossos leitores!

Os recortes digitalizados e catalogados pelo Miguel Brandão (a quem nós novamente agradecemos) encontram-se nesta pasta. Boa leitura!

sábado, 25 de dezembro de 2021

sábado, 25 de dezembro de 2021

Novos recortes da Notícias Magazine

Já tivemos a oportunidade de apresentar alguns recortes da coluna Micropanorama que fez parte da revista Notícias Magazine. Esta publicação acompanhava o Jornal de Notícias aos Domingos. Escrita por João Paulo Cruz, também reconhecido como o responsável pela Micromania, secção do anterior suplemento JND (não nos confundemos com a espanhola MicroMania) que apresentava duas páginas com análises e trabalhos de leitores. Outros lembrar-se-ão dos magníficos mapas que desenhou para A Capital. A acompanhar a Micropanorama havia a coluna de Informática escrita por Simões Dias sobre as actualidades do mercado doméstico de informática. Ambas fizeram parte da secção Estar em Casa embora aparecessem com uma periodicidade variável.

Não é por acaso que tanto neste blogue como no Planeta Sinclair temos procurado preservar o fantástico legado do João Cruz. Mas não somos os únicos nesta demanda, outros fãs cresceram com estas páginas e têm estado a procurá-las com afinco. É o caso de Miguel Brandão que já compilou um número considerável de páginas digitalizadas da Micromania, partilhadas por vários grupos portugueses de retro-computação nos últimos anos.

É com prazer que trazemos aos nossos leitores, o último achado de Miguel: uma série de recortes da Notícias Magazine que apresentam as colunas de João e Simões. Apesar da Micropanorama ser uma sombra da sua antecessora Micromania, a sua preservação continua a ser relevante, visto estas análises do João Cruz terem sido as últimas que escreveu, antes de este colunista ter desaparecido do radar. A coluna de informática é também interessante por ser referente ao período abrangido pelo nosso blogue.

Os recortes digitalizados e catalogados pelo Miguel Brandão (a quem nós agradecemos pela gentileza) encontram-se nesta pasta. Divirtam-se e boa continuação de festas!